domingo, 10 de março de 2013

ENFERMAGEM NO BRASIL



Quando o Brasil foi descoberto vinham para cá pessoas que não tinham utilidade ao país descobridor, como presidiários, pobres e escravos.  Com eles também veio a doença, fazendo-se necessário à abertura de Santas Casas. 
Os serviços prestados aos doentes eram realizados pelos padres jesuítas que exerciam o papel de médicos, enfermeiros e professores recebendo auxílio dos fiéis aos quais era ensinado o que os mesmos eram capazes de aprender.
 A medida em que as irmãs de caridade chegavam ao Brasil iam assumindo os serviços de assistência aos doentes.
Na época imperial, em 03.10.1832 surge a primeira lei relacionada à Enfermagem, que trata da organização dos cursos de parteiras vinculados às academias médico-cirúrgicas dos estados do Rio de Janeiro e Bahia em  1865 a Enfermagem tem seu valor elevado pela atuação de Ana Neri como voluntária entre os feridos na guerra movida pelo Brasil, Argentina e Uruguai (a Tríplice Aliança) contra o Paraguai”.

                       Filme Ana Neri exibido na Rede Globo - Episódio Brava Gente.
•História da Ana Neri


Voluntária na Guerra contra o Paraguai;

12 de maio dia do enfermeiro em sua homenagem (morte de Ana Neri e Nascimento de Florence).
•Organizou o serviço de Enfermagem nos hospitais de campanha.
•Recebeu em sua homenagem foi nomeado a primeira escola de enfermagem  em salvador em 1923.


Enfermagem no Brasil 

Pelo decreto nº 78 em 27 de setembro de 1890 foi criada a primeira escola de Enfermagem no Rio de Janeiro com o nome de Alfredo Pinto no hospício D. Pedro II, também chamado de Hospital Nacional de Alienados. Seu corpo docente era apenas formado por médicos psiquiatras. Em1916 foi criada a Escola Prática de Enfermeiras da Cruz vermelha Brasileira, com o propósito de preparar socorristas voluntárias para o atendimento em situações de emergências. Esta escola surgiu de um movimento internacional para atender melhor os feridos da Primeira Grande Guerra . Em 1923 foi criado o Departamento Nacional de Saúde Pública (DNSP). Para organizar os serviços de enfermagem do DNSP, Carlos Chagas, seu diretor, consegue trazer ao Brasil enfermeiras norte-americanas patrocinadas pela organização Rockfeller. Esta ação deu origem a criação da primeira Escola do Sistema Nightingale que recebeu o nome de Ana Néri.  Quando a primeira turma da escola Ana Néri se formou surgiu à idéia de criar uma associação de enfermeiros. A mesma concretizou-se em1926 e tinha como alvo elevar o padrão técnico científico da categoria. Em 09.09.52 passou a ser uma entidade de utilidade pública, atualmente denomina-se Associação Brasileira de Enfermagem (ABEN).

 Quando o número de enfermeiros ainda era inferior a uma centena foi criado o porta-voz oficial da ABEN que atualmente denomina-se Revista Brasileira de Enfermagem. Esta revista não surgiu somente para manter um laço entre os profissionais, mas aos poucos formou uma imagem das características da classe em nível de Brasil. O primeiro número saiu em 1932 com o nome de Anais de Enfermagem.
•Primeira escola de Auxiliares e técnicos em Enfermagem

A primeira escola de auxiliares de enfermagem foi fundada em Belo Horizonte no ano de 1936 com o nome de Carlos Chagas

Florence Nightingale e Ana Néri são duas homenageadas permanentes, dia 12 de maio que corresponde ao início da semana é a data de nascimento de Florence e dia 20, o término da semana, o falecimento de Ana Néri.

•Em 1946 o decreto nº 8778 regula os exames de habilitação para auxiliares e parteiras práticas.
•Trevisan (1976) “a lei 775/49 foi à lei que consolidou o ensino de enfermagem como matéria de lei no país”. Esta lei promoveu uma reformulação no currículo da enfermagem e estipulou 36 meses de curso para o enfermeiro e 18 meses para o auxiliar de enfermagem. O ensino passou a ter um enfoque assistencial curativo, com ênfase nas ciências físicas e biológicas

Em 1955 foi instituída a lei 2.604 que regula o exercício da enfermagem profissional. Estipula as atribuições do enfermeiro obstetriz, auxiliar de enfermagem, parteiras, prático de enfermagem e parteira prática. A lei foi regulamentada pelo decreto nº 50387/61.
Em 1966 a Escola Ana Néri – RJ apresenta ao Conselho Federal de Educação uma proposta para a criação do curso Técnico de Enfermagem o que através do parecer nº 171/66 foi aprovado, considerado como curso médio e enfermagem. O surgimento deste curso se deu em meio a grandes polêmicas entre os enfermeiros

Em 1973 foram criados os Conselhos Regionais de Enfermagem (COREN) e o Conselho Federal de enfermagem (COFEN) para fiscalizar e disciplinar o exercício profissional da Enfermagem sendo reconhecido pela lei 5.905.
•Características da profissão de enfermagem
Diferem a enfermagem de outros serviços hospitalares: 

a- Continuidade: dar seqüência ao atendimento nas 24 horas. 
b- Diversidades nas necessidades: respeitar as diferenças individuais, cada paciente é um caso especial. 
c- Contingência são situações de urgências que podem surgir, não manter com pacientes uma rotina constante, ela deve ser maleável.
•d- Intensidade de emoção: é o processo interpessoal entre enfermeiro-paciente, que produz emoções das mais variadas, que não são comuns entre grupos.
A Lei 2.064/55, Regulamenta o exercício da enfermagem no Brasil

O currículo para as escolas de enfermagem aponta algumas características:

•Saúde física e mental
•Sociabilidade e cultura geral
•Vivacidade
•Competência técnica
•Capacidade de inspirar confiança
•Confiança e cooperação
•Generosidade e equilíbrio
•Responsabilidade
•Respeito ao próximo
•Amor ao trabalho
•Formação profissional da enfermagem

a- Enfermeiro: nível universitário, necessita de 3º
 grau completo, diploma da faculdade e registro no Coren

b- Técnico em Enfermagem: necessita de 2º. grau completo, idade mínima 18 anos e registro no Coren
c- Auxiliar de enfermagem: necessita de 1o. grau completo, idade mínima 17 anos completos e registro no Coren ( extinto).

Nenhum comentário:

Postar um comentário